Pré-Inscrição

Todos os dias, mais de nove mil moradores circulam pelo Centro de Vitória, o bairro mais antigo da cidade.
Centenas de trabalhadores passam diariamente por suas ruas e muitos outros cidadãos circulam a procura de um bom lugar para se divertir. O porto, os prédios, as ruas e as praças são singulares e marcam a arquitetura e a rotina dos capixabas que andam por lá.

O que pode não ser tão nítido é a memória que o bairro carrega em cada um de seus monumentos. Uma maneira de começar a conhecer suas histórias é por meio do Visitar, iniciativa que busca aproximar a comunidade capixaba dos patrimônios do Centro Histórico de Vitória, a fim de sensibilizar sobre a importância de preservar sua memória.

O Visitar possibilita conhecer os principais monumentos do bairro, através de um atendimento guiado gratuito. Por meio dessa iniciativa, há oito anos, a Prefeitura de Vitória em parceria com o Instituto Goia capacita monitores para apresentar a turistas e moradores sete monumentos, que ficam estão abertos à visitação de terça a domingo, inclusive nos feriados, das 9 às 17 horas.

Roteiro cultural

É possível, também, conhecer o patrimônio do Centro Histórico de Vitória sem marcar uma visita guiada. Para facilitar o percurso, cada monumento possui um mapa do bairro que mostra onde o visitante está e qual é a construção histórica mais próxima. Além disso, folders informativos elaborados pelo Visitar foram disponibilizados em cada um deles. Conheça alguns desses monumentos:


Catedral Metropolitana de Vitória

A Catedral começou a ser construída em 1920 e foi concluída em 1970. O projeto inicial era de Paulo Motta (o mesmo que projetou o Parque Moscoso) e foi se modificando com o passar dos anos, tendo recebido colaboração de vários artistas e arquitetos. Ela fica localizada na Cidade Alta, na Praça Dom Luiz Scortegagna.


Escadaria Maria Ortiz

A Escadaria Maria Ortiz, antes chamada de Ladeira do Pelourinho, traz em seu nome uma homenagem à jovem que contribuiu para a vitória dos capixabas sobre piratas holandeses, que tentaram conquistar a ilha durante o século XVII.


Igreja do Rosário

Sua construção foi iniciada em 1765, com a mão de obra escrava negra. O terreno foi doado à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos pelo capitão Felipe Gonçalves dos Santos.Seu acesso principal se dá por uma extensa escadaria. Na igreja, um pequeno museu resgata sua história, apresentando imagens e peças utilizadas pela Irmandade de São Benedito.


Palácio Anchieta

Sua construção começou a ser erguida em 1570 para abrigar, inicialmente, o Colégio de São Tiago. Em 1798, recuperado de um incêndio ocorrido dois anos antes, o prédio é denominado Palácio do Governo. O monumento recebeu seu atual nome, em 1945, em homenagem ao padre José de Anchieta. A obra de restauração do edifício teve início em 2004 e foi concluída em 2009. Com a primeira etapa finalizada, o Palácio passa a abrigar apenas os setores ligados ao Gabinete do Governador.


Praça Costa Pereira

A famosa praça é, hoje, frequentada por muitos trabalhadores, andarilhos e turistas. No passado, chegou a ser banhada pelo mar e chamada de Prainha. Com o tempo, o Largo Costa Pereira foi transformado em Praça da Independência. Somente a partir da década de 60 que a praça voltou a sua denominação anterior.


Theatro Carlos Gomes

Inaugurado em 5 de janeiro de 1927, o Theatro Carlos Gomes teve sua construção inspirada no Teatro Scala, de Milão. Projetado pelo arquiteto italiano André Carloni, o teatro tem sua fachada principal voltada para a Praça Costa Pereira. Ele possui 314 lugares na plateia e três andares de galeria. Seu teto foi pintado por Homero Massena, que teve a música como inspiração.

Serviço

O Visitar existe desde 2006 e oferece visitas guiadas pelo Patrimônio do Centro Histórico de Vitória. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (27) 3322-6418, de segunda a sexta-feira, das 9 às 13 horas e das 14 às 18 horas ou pelo e-mail visitar@vitoria.es.gov.br.

Leia na íntegra aqui