Pré-Inscrição

Quando a amizade vira sociedade: conheça a história de Filipe e Thiago!

Quando a amizade vira sociedade: conheça a história de Filipe e Thiago!

Filipe Polli e Thiago Calhau são alunos da turma 17 do nosso MBA em Logística e Supply Chain Management e, até darem início ao curso na MMurad | FGV, não se conheciam. 

Desde o primeiro dia de aula, houve uma identificação entre os alunos, que logo já se tornaram amigos. 

O tempo passou e a amizade se aliou aos negócios! Filipe fundou a Polli Gestão, empresa de planejamento financeiro, processos e planejamento estratégico e, pouco tempo depois, convidou Thiago para ser seu sócio. 

A empresa já vem rendendo frutos: na foto acima, os dois estão em reunião no cliente, acompanhados de mais um sócio. 

Para comemorar este #DiadoAmigo, convidamos ambos para dar uma entrevista ao blog da MMurad.

Veja o que cada um contou pra gente!

Filipe Polli

Filipe Polli, aluno do MBA em Logística e Supply Chain Management e fundador da Polli Gestão 

MMurad: Como e quando surgiu a amizade de vocês e a ideia de criarem uma empresa juntos? Conte um pouquinho dessa história. 

FP: Nos conhecemos logo na primeira aula do MBA. Caímos de forma aleatória no mesmo grupo em um trabalho de planejamento estratégico e a conversa já foi muito boa. Ali já percebi que o Thiago era um cara diferenciado. 

Nesse período eu era gestor financeiro de um grupo econômico, mas resolvi tentar a vida com a abertura do meu próprio negócio, uma empresa de consultoria financeira, processos e planejamento estratégico para outras empresas. Durante esse um ano e meio de curso fui tocando a empresa sozinho e a nossa relação foi solidificando cada vez mais, com bons trabalhos e bons momentos de lazer. 

Ao concluirmos o MBA estava num momento ao qual precisava expandir o meu negócio e sozinho já não estava dando conta. Ao invés de contratar alguém, resolvi trazer uma pessoa para viver isso comigo, ser dono do negócio. 

Com isso, ao abrir minha cabeça para entender as opções de pessoas a qual eu tinha para fazer a proposta, logo de cara veio o Thiago, assimilando nele a confiança como pessoa e a competência como profissional que eu precisava. Ele também gostou do projeto de cara e encarou isso comigo. Hoje já temos um terceiro sócio no projeto e, juntos, somamos mais de 60 empresas impactadas.

M: O que é a Polli? Fale um pouco da empresa. 

FP: A Polli é uma empresa de planejamento financeiro, processos e planejamento estratégico. Fazemos planos de negócios, organização financeira e processos, plano de expansão, gestão empresarial como controllers, cálculo de Valuation e até mesmo projetos que chamamos de turn key, que realizamos desde o plano de negócios até a execução do projeto, e entregamos a empresa rodando para o cliente, como, por exemplo, a primeira escola Montessoriana de Vitória.

M: O que te levou a fechar negócio com o Thiago? 

FP: Primeiramente o caráter e a integridade. Durante esse período de MBA eu vi o quanto ele procura fazer o bem, da melhor forma possível, sempre se preocupando com os outros. Além de toda a capacidade profissional que vi nele durante essa convivência, sendo extremamente crítico e organizado.

M: O que você admira nele pessoalmente e profissionalmente?

FP: Pessoalmente sua integridade e o quanto ele se preocupa com as pessoas, não tem tempo ruim, pode contar com ele para literalmente qualquer coisa. Como profissional sem dúvidas e seu senso de organização e realização metódica, sempre com ações coerentes perante os problemas.

M: É possível ver coisas do “amigo Thiago” no “sócio Thiago”? Ou são comportamentos diferentes? 

FP: Sim, é muito possível ver o amigo Thiago agindo dentro da empresa, por mais que a gente tenha que ter uma certa diferenciação, não conseguimos mudar quem realmente somos, então, isso se sobressai. É muito positivo para nossa relação e evolução do negócio.

M: Acredita que aquela história de “amigos amigos, negócios à parte” é um mito? É possível conciliar ambas as coisas? De que forma? 

FP: Não vejo esse lema como um mito, afinal, muitas vezes temos que deixar a emoção de lado e agir com a razão, mas isso não faz com que nunca pensemos no lado pessoal. Para mim, o segredo para o sucesso dessa relação se resume a um ponto: o bom senso. Com ele bem alinhado entre as partes, o sucesso da sociedade é certo.

Thiago Calhau

Thiago Calhau, aluno do MBA em Logistica e Supply Chain Management e sócio da Polli Gestão 

MMurad: O que te levou a fechar negócio com o Filipe?

Thiago Calhau: Eu sou do interior de Minas Gerais e trabalhava em uma multinacional na área de suplementos. Há 10 anos eu tentei, com outros amigos do interior, abrir uma consultoria no Espírito Santo. E não tive êxito. 

Quando comecei a fazer a pós-graduação, eu conheci o Filipe ao participar de um mesmo grupo de um trabalho e ele estava iniciando o projeto de consultoria. 

Durante um período, ele conseguiu desenvolver sozinho e depois me convidou para participar de freelancer. Com o tempo, a parceria firmou, já que temos um perfil bem complementar. 

Filipe é um cara muito comercial, bacana, bem relacionado, família e que se preocupa muito com as pessoas. Ele viu que meu perfil completava o dele e até hoje está vingando a consultoria, que inclusive leva o sobrenome dele, Polli Gestão. Foi coisa do destino mesmo. 

M: O que você admira nele pessoalmente e profissionalmente?

TC: O Filipe é um cara muito honesto, justo, transparente. Ele pensa muito nos outros. Mais nos outros que nele. Profissionalmente, é um exímio vendedor e negociador nato. 

M: É possível ver coisas do “amigo Felipe” no “sócio Felipe”? Ou são comportamentos diferentes?

TC: Eu confesso que na minha visão eu não tenho sócios, falo que somos um grupo de amigos que gostamos de trabalhar juntos. Não temos muito essa separação. 

M: Acredita que aquela história de “amigos amigos, negócios à parte” é um mito? É possível conciliar ambas as coisas? De que forma?

TC: É um mito. Eu tenho uma ideia de que se a gente criou uma amizade e confiança, não tem porquê não gerar uma sociedade. Nós somos amigos que gostamos de ganhar dinheiro juntos, executar projetos, colocar os sonhos das pessoas para rodar. Fazemos isso de maneira amistosa, quase que brincando. A minha diversão é fazer projetos. Estamos vivendo um momento que trabalho e vida pessoal não tem mais como separar e nem devem ser separadas. Aqui na Polli, a gente faz nossa diversão, nosso trabalho, nossa casa. Não tem uma separação. É a mesma coisa. É a mesma vida.

Qual história você também gostaria de contar? Quais amizades você ainda quer fazer e quais negócios quer construir? Fale com a gente!